domingo, 24 de maio de 2015

A gula dos portugueses, o marquês de Pombal e o abade de Alcobaça

.
.
.
.
"Um dia, um colega meu, condiscípulo desde os bancos da Escola Médica e bromatologista distinto, pediu-me que lhe dissesse o que se comeu e como se comeu em Portugal no século XVIII, século que passa, e com razão, por ter sido aquele em que se comeu mais - e pior.
Vou satisfazer o desejo do meu amigo (…).
.
Nós somos, evidentemente, um país de intoxicados.
Não erraria muito quem fosse até ao extremo paradoxal de atribuir aos erros e às exuberâncias da cozinha portuguesa todos os desastres políticos que nos têm afligido.
.
A nossa planturosa cozinha de artríticos, duma abundância monacal, com leitões e vitelas inteiras nadando em molho dentro de bandejas de prata, tem, pelo menos, graves responsabilidades nas grandes catástrofes nacionais.
.
Ainda há-de aparecer um filósofo de bom humor que demonstre, quando finalmente se der valor aos infinitamente pequenos da História, que Tânger e Alcácer-Kibir, por exemplo, foram dois casos vulgares de hiper-intoxicação alimentar.
.
O português comeu sempre muito -, com a agravante de ter comido sempre mal (…).
.

.
.
(…) O marquês de Pombal, mais sóbrio, vendo que no próprio paço se comia desordenadamente, voltou a fazer o que já no século XIII fizera Estêvão Anes, e publicou, em 1765, o regulamento da ucharia e cozinha da casa Real.
.
Mas desse regímen de sobriedade, que ele estabeleceu também na sua economia doméstica, resultou pouco depois um episódio curioso, quando o abade de Alcobaça, que oferecera ao marquês um jantar formidável, foi convidado, por seu turno, para jantar na casa da rua Formosa.
.
 Já no fim do banquete, para que Sebastião José de Carvalho [marquês de Pombal] mandara preparar uma coberta de princípios de copa, outra de potagens, outra de massas, outra de assados e outra de doces e frutas, com dez pratos diferentes cada uma, o marquês notou com estranheza que o gigantesco abade tinha comido devoradoramente de todos os cinquenta pratos sem beber um só gole de vinho, e fez-lho notar, com a maior cortesia, apontando o Xerez, o Porto, o velho Rheno e o Lacrima Christi que o rodeavam em garrafas de vidro doirado:
.
- Vossa Reverência não quis honrar os vinhos da minha frasqueira…
.
O abade acabou de mastigar um bocado de lombo, poisou o garfo de prata sobre a toalha de rendas, e, acostumado aos intermináveis jantares do convento, respondeu, com a maior naturalidade do mundo:
.
- É que eu, senhor marquês, só começo a beber vinho do meio do jantar em diante…
.
Todo o poema da gulodice monástica do século XVIII está nesta ingénua frase do dom abade de Alcobaça.”
..

.
.
Júlio Dantas, Figuras d’Ontem e d’Hoje
(Como se comia em Portugal no século XVIII),
Livraria Chardron, Porto, Portugal, ano de 1914  (págs. 171-178).
.
.

Sem comentários: