quarta-feira, 22 de abril de 2015

Quem terá sido "Jack, o Estripador"?

.
.
.
Há quase 130 anos, nos finais do Verão e durante o Outono de 1888, os habitantes da cidade de Londres viveram cerca de três meses de terror, quando uma figura sinistra, surgida das sombras da noite e do nevoeiro, deixou atrás de si um rasto de mulheres assassinadas, uma a uma, da forma mais cruel.
.
Com espantoso sangue frio, o criminoso mutilou a maioria das vítimas e chegou ao ponto de enviar à polícia fragmentos de órgãos humanos acompanhados de mensagens sarcásticas. Escrevendo com tinta vermelha, gabava-se dos seus feitos, garantia que nunca o apanhariam e, autodenominando-se Jack, o Estripador, inscrevia no remetente: Do Inferno.
.

.
Os crimes ocorreram nas ruas, becos e vielas sujas do bairro de Whitechapel, habitado por uma população pobre e fartamente provido de tabernas, bordéis e antros de ópio. Muitas jovens, condenadas à miséria, enveredavam por uma vida de prostituição, calcorreando o bairro, noite após noite, década após década, indefesas e precocemente envelhecidas, até que o misterioso "Jack" chegou para lhes trazer o seu inferno.
.

.
A primeira vítima foi Mary Ann "Polly" Nichols, de 42 anos, esfaqueada por uma lâmina de 25 cm no dia 31 de Agosto.
A segunda foi "Dark Annie" Chapman, de 47 anos, minada pela tuberculose e assassinada de forma idêntica, com o mesmo tipo de arma.
Calhou depois a vez a Elizabeth "Long Liz" Stride, de 45 anos, encontrada no chão com um cacho de uvas numa das mãos e alguns doces na outra.
A seguir, na mesma noite de 30 de Setembro, Catherine Eddowes, de 43 anos...
O último dos ataques atribuído a Jack, o Estripador, aconteceu a 10 de Novembro e vitimou Jane "Black Mary" Kelly, a mais jovem das suas presas - 24 anos. 
.

.
O assassino parecia protegido por artes diabólicas. Surgia repentinamente e desaparecia sem deixar rasto, apesar dos fortes contingentes policiais empenhados no patrulhamento da área. Um dos crimes foi praticado a escassos metros de um agente da autoridade, que não deu por nada...
Comerciantes londrinos, preocupados com os efeitos dos acontecimentos nos seus negócios, instituíram a Comissão de Vigilância de Whitechapel, em que logo se alistaram detectives privados e inúmeros voluntários civis. "Jack" permaneceu, porém, a salvo de todas as diligências.
.

Não obstante, os peritos conseguiram determinar certos padrões dos crimes.

Concluíram, por exemplo, que o assassino era canhoto e que tinha bastantes conhecimentos de anatomia, pois sabia extrair com precisão órgãos humanos. E verificou-se que todos os crimes ocorreram entre as 11 horas da noite e as 4 da madrugada. Isto não foi contudo suficiente para capturar "Jack".

.

.
Desorientada, pressionada pela imprensa e pela opinião pública, a polícia começou a perseguir gente que, não obstante as suas características e antecedentes, se provaria nada ter a ver com as trágicas ocorrências - criminosos de delito comum, agressores sexuais conhecidos, cirurgiões e talhantes com doenças mentais.
.
Espalhavam-se boatos incontroláveis. Um deles atribuía as mortes a um neto da rainha Vitória, o duque de Clarence, filho mais velho do futuro rei Eduardo VII, que sofria de alguma instabilidade mental. Os defensores desta pista faziam notar que ele fora internado num hospital de doentes mentais depois do último crime de "Jack"  e que nunca mais de lá saiu.
No entanto, investigações recentes demonstraram que o duque se encontrava a caçar na Escócia na altura em que pelo menos dois dos crimes foram cometidos...
.
.
 


Montague John Druitt

Poucos dias depois do assassínio de Jane "Black Mary" Kelly (10 de Novembro), a polícia encerrou o caso e a Comissão de Vigilância de Whitechapel recebeu a informação de que o assassino confessara antes de se suicidar, por afogamento, no rio Tamisa. Contudo, a nota de suicídio, se existiu, nunca foi publicamente exibida. Muita gente suspeitou de que as autoridades tinham engendrado um embuste para proteger alguém - ou o duque de Clarence ou um agente da polícia.
.
Quanto à história do homem afogado, fora na verdade retirado do Tamisa o corpo de um suicida depois do derradeiro assassínio de "Jack".
Tratava-se de um advogado, Montague John Druitt, homem de vida difícil, propenso a perturbações do foro psicológico e conhecido pelo seu  ódio às mulheres. Para visitar a mãe, internada numa clínica de doenças mentais, tinha de atravessar o bairro de Whitechapel. Isso bastou para o transformar, até aos dias de hoje, no principal suspeito dos crimes de "Jack". Mas o mistério perdurará, provavelmente, para sempre...
.
Quem terá sido, de facto, "Jack, o Estripador"?
.

.

1 comentário:

Xavier Mota disse...

Foi de certeza um desequilibrado, com ódio à sociedade e, particularmente, às mulheres! Infelizmente ainda há por aí muitos, como se comprova nas notícias do dia a dia...