domingo, 30 de janeiro de 2011

Sóror Mariana Alcoforado - Paixão verídica ou fictícia de uma freira portuguesa?

.
.
 .
Sóror Mariana Alcoforado (1640-1723) foi uma freira clarissa portuguesa, do Convento de Nossa Senhora da Conceição, em Beja.
É-lhe atribuída a autoria de cinco cartas de amor dirigidas a Noell Bouton de Chamilly, conde de Saint-Léger, marquês de Chamilly, oficial francês que lutou em solo português, contra os Espanhóis, na longa Guerra da Restauração (conflito que os Portugueses sustentaram contra os seus vizinhos ibéricos, após terem recuperado destes, em 1640, a independência perdida no ano de 1580).
.
Conta-se que Mariana Alcoforado terá visto Chamilly, pela primeira vez, a partir do terraço ou de uma janela do convento de Beja de onde assistia às manobras do exército.
O episódio, se autêntico, terá ocorrido entre 1667 e 1668 – e aí se terá iniciado uma controversa ligação amorosa.
.
Chamilly abandonou Portugal a pretexto da enfermidade de um irmão, prometendo à sua apaixonada freira que a mandaria buscar. Falsa promessa, pelos vistos. Na longa e baldada espera, Mariana escreveu ao oficial francês as cinco cartas, que reflectem a dramática evolução dos seus sentimentos: esperança, incerteza e, finalmente, a convicção do abandono.
.
 .
As Cartas Portuguesas, publicadas em francês no ano de 1669 (Les Lettres Portugaises, Paris, Claude Barbin), são cinco curtas missivas de amor. Transparece nelas o amor incondicional e exacerbado da jovem Mariana, que afirma sofrer horrores com a distância do amado.
As cartas vão aos poucos perdendo o tom da esperança e transformam-se em pedidos lancinantes de notícias. Patenteia-se a solidão de Mariana, a intensidade dos seus sentimentos, a vontade de reter Chamilly a seu lado.
Ao que parece, o destinatário não correspondeu em grau idêntico.
.
O êxito literário das Lettres Portugaises foi enorme, e a figura trágica de Mariana Alcoforado tornou-se num símbolo do amor-paixão e tema literário universal.
O nome da freira ficou conhecido desde que o erudito Boissonade aceitou como verdadeira uma nota manuscrita no seu exemplar da primeira edução. Traduzo do francês: “A religiosa que escreveu estas cartas chamava-se Mariana Alcoforado, religiosa em Beja, entre a Extremadura e a Andaluzia. O cavaleiro a quem as cartas foram escritas era o conde de Chamilly, dito então conde de Saint-Léger”.
.
 .
A autoria das cartas tem sido muito contestada. Rousseau, por exemplo, negava-lhes autenticidade. Em Portugal, Alexandre Herculano e Camilo Castelo Branco seguiram-lhe as pisadas. Há quem as atribua a Lavergne de Guilleragues, apresentado desde início como simples tradutor das mesmas (do português para o francês).
Há, porém, quem defenda convictamente a veracidade das mesmas, como, por exemplo, Luciano Cordeiro, num estudo muito interessante que dedicou ao assunto.
.
O célebre Júlio Dantas, que escreveu uma peça teatral inspirada no caso (Sóror Mariana) e que a isso ficou a dever, em grande parte, o ferocíssimo ataque que Almada Negreiros lhe dirigiu no conhecido Manifesto Anti-Dantas (ver, neste blogue, 17-Maio-2008), achava as duas hipóteses possíveis (a verdade ou a falsidade do caso amoroso).
.
Sobre esta polémica vale a pena transcrever umas palavras do próprio Júlio Dantas na introdução da 4.ª edição da sua obra (Editora Portugal-Brasil, Lisboa, 1915). Ele dirige-se a uma senhora que se terá manifestado indignada perante a versão dos amores fornecida na referida peça teatral e que sustentava a impossibilidade da sua ocorrência para lá dos muros de um convento.
É mentira! É mentira!”, terá ela bradado em altas vozes durante a primeira representação da peça.
.
.
Resposta de Júlio Dantas:
.
“ (...) Tenho pena de não poder mostrar-lhe os documentos inéditos cuja cópia aqui está, diante de mim.
Se soubesse, minha senhora, o que foram durante dois séculos os conventos de freiras de Portugal, v. ex.ª repetiria, decerto, a frase amarga do Duque de Saint-Simon a respeito duma casa de capuchas da Bretanha: «religiosa que de lá sai, é porque quer ser uma mulher honesta».
.
Mentir — para quê?
Sossegue. Tranquilize o seu espírito, minha senhora.
Houve, evidentemente, um facto de amor, desconhecido e vago, de que as cinco Cartas foram a consequência literária. A minha peça é apenas a dramatização conjectural desse facto.
Nada se sabe ao certo.
Tudo pode ser verdade.
Tudo pode ser mentira.
.
Em volta do fait divers de Sóror Mariana, precisamente porque se ignora tudo, são legítimas todas as tentativas lógicas de interpretação.
A minha é má?
Dê-me a sua.
Prometo-lhe remodelar a peça — e fazê-la representar outra vez.
Já agora, minha ilustre inimiga, confesso-lhe que me move uma ambição: quero que as suas pequenas mãos me aplaudam, para que eu possa ter, minha senhora, a honra de lhas beijar — menos literariamente.”
.

4 comentários:

Juliana disse...

Olá Cavaleiro!

Como está?

A história da freira Mariana Alcoforado sempre me encantou. Quando a conheci, era uma jovenzinha de 15 anos que nutria uma paixão platônica por um rapaz que não me dava a mínima. Aquelas cartas instigavam a minha imaginação e me inspiravam a escrever, mas nunca o fiz de fato. Eram apenas tolices pueris que se foram com o tempo...

Um afetuoso abraço

Cavaleiro da Torre disse...

Olá, cara Juliana, espero que esteja bem. De facto, a história triste da freira Mariana Alcoforado possui a força intemporal, avassaladora e comovente de todas as paixões dramáticas, ou "impossíveis". Mas talvez descortinemos na essência de todas as grandes paixões, como essa, as tais "tolices pueris" a que faz alusão. Mesmo quando (ou principalmente?) seus intérpretes tenham ultrapassado há muito os desprendidos anos da puerilidade ...
Retribuo o abraço.

Calandrónio disse...

Gostaria que consultassem o meu blogue http://lettres-portugaises.blogspot.com sobre o mesmo assunto. Agradeço a informação divulgada por este excelente blogue. Parabéns! Leonel Borrela

Juliane Schimel de Magalhães disse...

Verdadeiras ou não, as 5 cartas são de uma beleza histórica e uma contemporaneidade incontestásveis. Escritas por uma Mariana que somos todas nós.