domingo, 12 de dezembro de 2010

Hudson, Explorador Trágico do Árctico

.
Henry Hudson (c. 1550 - c. 1611).
.
Hudson foi um navegador e explorador inglês. Tornou-se notado a partir de 1607, mas desapareceu apenas quatro anos depois em circunstâncias trágicas.
Pouco se conhece acerca da sua carreira no período anterior, mas nos derradeiros anos de vida realizou quatro tentativas para descobrir um caminho marítimo mais curto para Oriente, navegando pelo Norte.
O mapa seguinte mostra os sucessivos itinerários de Henry Hudson até ao drama final.
.
.
As duas últimas viagens de Hudson (clicar na imagem para ampliar)
.
Em 1607, Hudson foi contratado pela Companhia Moscovita (grupo financeiro inglês). Navegando para norte, entre a Gronelândia e Spitzberg, procurou o acesso ao Oriente nas imediações do Pólo Norte. Uma intransponível barreira de gelo forçou-o todavia a retirar, quando se achava a somente 10º do Pólo.
Em 1608, nova tentativa fracassada (seguiu uma rota ao longo da costa setentrional da Ásia).
.
A fama de Hudson resultou das suas duas últimas viagens (mapa acima):
.
- em 1609, contratado pelos Holandeses, viajou no Half Moon até à costa leste da América do Norte (veja as duas linhas castanhas na parte inferior da figura);
.
- em 1610-1611, comandando o Discovery ao serviço de alguns comerciantes ingleses, desapareceu para sempre (linha azul, na parte superior da figura).
.
Hudson na costa da América do Norte
.
Viagem de 1609 – Henry Hudson assinou em Janeiro deste ano um contrato com a Companhia Holandesa das Índias Orientais, cujo objectivo consistia em “procurar uma passagem a norte para o Oriente, contornando a costa setentrional de Nova Zembla”.
Hudson largou do porto de Amesterdão em Abril de 1609, no Half Moon, com uma tripulação de dezasseis homens, entre Ingleses e Holandeses.
.
Subindo a costa ocidental da Noruega, os exploradores avistaram o Cabo Norte a 5 de Maio e logo se internaram nas perigosas águas do mar de Barents.
Temperaturas negativas, violentíssimas tempestades, nevoeiros cerrados, blocos maciços de gelo e um princípio de motim dos tripulantes holandeses, obrigaram o comandante a desrespeitar o que havia contratado, abandonando a busca da passagem a nordeste ainda antes de avistar Nova Zembla.
.
Aproando a sudoeste, o Half Moon atravessou o Atlântico Norte, com águas agitadas, e alcançou as costas americanas do Maine por alturas de Julho.
O navio seguiu então para sul, dobrou o cabo Cod, torneou os perigosos baixios de Nantucket e, em meados de Agosto, estacionava na baía de Chesapeake. Seguiu-se uma série de explorações - baía de Delaware, costa de Nova Jérsia, bancos de Sandy Hook e uma vasta baía orlada de florestas (New York). Deram-se então contactos com os índios, nem sempre amistosos, e a exploração de um grande curso de água (que recebeu o nome pelo qual o conhecemos ainda hoje: rio Hudson).
A 4 de Outubro, o Half Moon aproou de novo ao mar alto, chegando a Inglaterra nos princípios de Novembro de 1609.
 A passagem para Oriente não fora descoberta.
.
.
Hudson e os companheiros vêm afastar-se o Discovery
.
Viagem de 1610-1611 – Um grupo de abastados comerciantes ingleses formou um consórcio privado destinado a financiar uma nova viagem de Henry Hudson.
Este levava agora instruções para explorar estreitos e enseadas do Árctico Canadiano, procurando apurar “se seria possível encontrar uma passagem para o outro oceano chamado mar do Sul”.
.
A 17 de Abril de 1610, Hudson partiu no Discovery para a derradeira viagem, sempre em busca da misteriosa rota que o conduzisse ao Oriente. Desta vez levava consigo o seu jovem filho, John Hudson.
Em meados de Maio de 1610 o Discovery atingia a Islândia, não sem que antes se tivessem verificado incidentes graves entre a tripulação, uma perigosíssima constante desta terrível viagem.
.
Contornando o extremo sul da Gronelândia (ver mapa acima), o navio progrediu com imensa dificuldade para oeste, através de mares coalhados de blocos de gelo.
A tripulação murmurava, descrente de que o objectivo pudesse ser alcançado em tais condições. Hudson, um homem de fé, insistia. Penetrando no estreito que receberia o seu nome (entre o Labrador e a Ilha de Baffin), os exploradores chegaram a “um grande mar que se estendia para ocidente” (actual Baía de Hudson), que sabemos hoje que não conduz à Ásia, mas que penetra profundamente nas regiões selvagens do Canadá.
.
Em vez de alcançar o Pacífico, como esperava, Hudson atingiu em Setembro de 1610 a baía de James, o recesso mais meridional da baía de Hudson. O Discovery gastou as semanas seguintes em desesperadas navegações para diante e para trás, para norte e para sul, para leste e para oeste, num labirinto infernal.
Veio e passou o Inverno. Frio, fome, discussões e desesperança eram agora o quotidiano da tripulação do Discovery.
.
Finalmente, em 22 de Junho de 1611, conduzida pelos revoltosos Juet e Henry Greene, a tripulação dominou Hudson e, juntando-o ao filho e a mais sete marinheiros fiéis numa pequena chalupa, abandonou-o à sua sorte nas águas gélidas e mortíferas da baía.
.
Era o fim para Henry Hudson e para aqueles que o acompanharam. Nunca mais se soube deles, e podemos somente imaginar como acabaram as suas vidas.
.
Entretanto, o Discovery conseguiu chegar a Inglaterra com a tripulação amotinada. O caso viria a ser revelado e os cabecilhas da rebelião punidos.
.
Adaptado de: Great Adventures That Changed Our World.

Sem comentários: