quinta-feira, 11 de novembro de 2010

A Consciência do Tempo

.

."Há semanas que temos vindo a ser submetidos a um processo de intimidação mental e de asfixia social, que largamente ultrapassa os limites do suportável.
O fantasma é o FMI (Fundo Monetário Internacional), intermitente como todos os fantasmas, a ameaçar-nos de medos maiores do que os medos habituais no viver português.
.
Vem, não vem, está para vir, não virá.
Esta dialéctica absurda é alimentada pelas nossas fraquezas perante conclusões aparentemente inexoráveis. Estamos nos antípodas do clima de serenidade, necessário a quem não renunciou da faculdade de se refazer para continuar a lutar por um mundo melhor.
Mas a angústia metódica que nos inculcam, com estribilhos assustadores e práticas políticas temíveis, deixa marcas.
.

.
No último Prós e Contras, o sistema que nos conduziu a esta miséria foi colocado em questão.
A falência de um modelo sem piedade e desprovido de outro objectivo que não seja o da acumulação de riqueza atravessou os depoimentos.
Uma filosofia que paralisa e obriga à servidão, oscila entre o terror e a barbárie.
Alguém, piedosamente, tentou dizer da necessidade de "humanizar o capitalismo".
.
Pode "humanizar-se" um sistema cujas origens se baseiam, exactamente, no seu contrário?
Um pouco por todo o lado, a contestação contra a preeminência do "mercado" sobre a razão dos valores morais atinge aspectos significativos.
Os sinais que a época nos fornece são evidentes.
E a própria Igreja, por natureza prudente e extremamente discreta, começa, aqui e além, a dar mostras da sua inquieta perplexidade.
..
.
Há semanas, a convite do Montepio Geral, desloquei-me ao Porto, a fim de debater, publicamente, com o bispo D. Manuel Clemente o problema da fome e da exclusão social.
Há uma forma degradada de vida que a violência do neoliberalismo transformou em "normalidade".
O bispo defendeu o espírito de entreajuda, tese também advogada por D. Carlos Azevedo, no Prós e Contras.
.
São paliativos que nada solucionam e apenas evocam um conceito de caridadezinha, amiúde execrável.
A Igreja tem de ser compelida, e até arrastada, pelo movimento das ideias, a encorajar o protesto generalizado e a indignação colectiva.
Não deve quedar-se, através de murmúrios compassivos, pela solidariedade inócua com o sofrimento.
.
O essencial está em causa. A boa vontade não chega.
É outra expressão do quietismo, a forma mais sórdida de cumplicidade, e outro modo de disciplina férrea, com que as classes dominantes impõem as suas leis e regras.
.
Reformar o quê?
Quando, na realidade, estamos a falar do demoníaco, contido numa ideologia que introduziu, como modelo de sociedade, a resignação e o aviltamento progressivo da condição humana.
.
O campo da nossa batalha não é a procura do eterno: é a consciência do nosso tempo."    (*)
.
(*) - Baptista-Bastos - Diário de Notícias - Lisboa - Portugal (10-Novembro-2010)
.

Sem comentários: