sábado, 8 de maio de 2010

D. João V, rei de Portugal (1689-1750) - Majestoso, Esbanjador e Freirático

.
D. João V
.
D. João V foi o 24.º rei de Portugal.
Nasceu em 22 de Outubro de 1689 e faleceu em 31 de Julho de 1750.
Aclamado rei no dia 1 de Janeiro de 1707.
O seu nome completo: João Francisco António José Bento Bernardo de Bragança.
.
Filho de D. Pedro II, foi pai do rei D. José (que teve o célebre Marquês de Pombal como primeiro-ministro); avô de D. Maria I (que enlouqueceu); bisavô de D. João VI, o rei que se refugiaria a partir de 1808 em terras brasileiras para se furtar à ameaça napoleónica (facto que acabaria por ter influência decisiva na futura declaração de independência do Brasil em relação a Portugal – ano de 1822).
.
Casou em 1708 com D. Maria Ana Josefa, arquiduquesa de Áustria, filha do Sacro Imperador Germânico, Leopoldo I, e da condessa Leonor Madalena de Neuburg.
A rainha foi irmã dos Sacro Imperadores José I e Carlos VI.
.
Muito culta, conhecia e falava alemão, francês, italiano, espanhol e latim. Resignou-se rapidamente ao abandono a que D. João V a votava. Muito devota, entregava-se com frequência a práticas piedosas. Interessava-se por coisas do mar, passeava ao longo do rio Tejo com a Família Real e a Corte, assistindo frequentemente a festas e serenatas no rio e a lançamentos de navios ao mar.
Apaixonada por música, assistia sempre aos concertos e aos serões de ópera da Corte.
.
Convento de Odivelas, onde viveu a famosa Madre Paula
.

Chamaram a D. João V O Magnânimo ou O Rei-Sol Português, em virtude do luxo de que se revestiu o seu reinado; alguns historiadores recordam-no também como O Freirático, devido à sua conhecida apetência sexual por freiras.
A mais famosa de todas foi a Madre Paula, enclausurada no convento de Odivelas, Lisboa.
Esta Madre Paula, que se fez poderosa e influente pelo domínio que exercia sobre o seu régio amante, foi mãe de um dos filhos ilegítimos de D. João V, os chamados Meninos de Palhavã.
.
Estes amores freiráticos eram de resto generalizados entre os nobres portugueses do tempo, a tal ponto que, em 1724, alguns deles foram convocados à Secretaria de Estado para assinarem um termo em que se comprometiam a não mais visitarem as freiras nos conventos, a deixarem de lhes escrever e a não lhes fazerem acenos da rua.
É claro que o rei D. João V se considerava à partida isento de tais limitações.
.
Segundo Veríssimo Serrão, D. João V «era senhor de uma vasta cultura, bebida na infância com os padres jesuítas. Falava línguas, conhecia os autores clássicos e modernos, tinha boa cultura literária e científica e amava a música. Para a sua educação teria contribuído sua mãe (Maria Sofia, condessa de Neuburg), que o educou, e aos irmãos, nas práticas religiosas e no pendor literário.»
E a seguir: «Logo na cerimónia da aclamação se viu o pendor régio para a magnificência.”
.
A rainha D. Maria Ana Josefa, esposa de D. João V
.
Oliveira Martins, o historiador português, escreveu sobre D. João V, e o seu reinado, palavras muito duras:

“(…) Um facto fortuito, alheio aos elementos naturais, tinha vindo pelos fins do século XVII influir poderosamente nos destinos da nação.
Despovoado e inculto o reino, miseráveis e nuas as povoações, sem riqueza nem trabalho – as minas de ouro do Brasil deram ao rei e ao povo uma fortuna que o país lhes negava.
Lisboa era mais a metrópole de um vasto império ultramarino do que a capital de um reino europeu.
Agora, as minas americanas (do Brasil) chamam todas as ambições e todas as forças para a cidade onde se encontra a vida inteira da nação.
.
Foi sobre o ouro e os diamantes do Brasil que se ergueu o trono absoluto de D. Pedro II; foi com eles que D. João V, e todo o reino, puderam entregar-se ao entusiasmo desvairado dessa ópera ao divino em que desperdiçaram os tesouros americanos.
.
O acaso concedeu a um tonto o uso de armas perigosas, abrindo-lhe de par em par as portas dos arsenais; e D. João V, enfatuado, corrompeu e gastou, pervertendo-se também a si e desbaratando toda a riqueza da nação. Tal foi o rei.
O povo, beato e devasso, pastoreado pelos jesuítas, arreava-se agora de pompas, para assistir como convinha à festa solene do desbarato dos rendimentos do Brasil.
.


Terreiro do Paço - Lisboa
.
Essa soma quase incalculável de riquezas não bastou para encher a voragem do luxo e da devoção do espaventoso e beato monarca.
O Inglês sentava-se com ele à mesa e aplaudia os desperdícios, porque todo o ouro do Brasil apenas passava por Portugal, indo fundear em Inglaterra para pagamento da farinha e dos géneros fabris com que ela nos alimentava e nos vestia.
As indústrias nacionais eram as óperas e as devoções: todo o comércio externo estava nas mãos dos ingleses, principalmente, e também de italianos.
.
Por isso, nem todo o ouro do Brasil chegou, a dívida nacional cresceu, e se Lisboa quis deixar de morrer à sede teve de pagar com um imposto especial a construção do seu Aqueduto.
Os dinheiros do Brasil tinham outro e melhor destino.
Iam para Roma custear o preço de concessões valiosas.
.
Era a elevação da capela do rei a Patriarcado – um arremedo do Vaticano.
Eram as insistências (sem resultado) para que se definisse o dogma da Imaculada Conceição de Maria, antiga teima dos reis Braganças.
Era a licença para os padres dizerem três missas em Dia de Finados. Eram os lausperenes, as relíquias, as canonizações, as indulgências.
D. João V tinha o amor das cerimónias, e sabia todos os pontos da etiqueta do paço e da igreja. Era mestre em liturgia. Queria bem a todos os santos, mas tinha um fraco particular por S. José e por S. Francisco de Assis.
.

D. João V
.
A Patriarcal era para D. João V o reino, a corte.
Essa ópera contava quase quatrocentos figurantes.
Afora o patriarca, tinha vinte e quatro principais, setenta e dois prelados, vinte cónegos, setenta e três beneficiados, mais de trinta mestres-de-cerimónias, acólitos, capelães.
.
Custavam todos trezentos contos ao ano.
E, além disso, cento e trinta cantores e músicos, por trinta e oito contos.
E, por cima, as rendas principescas do patriarca.
E mais ainda o preço incalculável das festas magníficas, com o cenário deslumbrante de ouro, pedrarias, veludos, rendas, luzes, em nuvens de incenso despedidas pelos turíbulos cinzelados.
.
D. João V não regateava o preço das coisas; antes, como rei brasileiro, rico sem saber como, punha a honra na despesa, imaginando espantar o mundo com o modo perdulário com que dissipava.
Mais de duzentos milhões de cruzados foram para Roma; não tem conta o que deu pelo reino às igrejas, aos conventos de frades e freiras, e, na sua fúria de ser esmoler-mor do catolicismo, lembrava-se de todos derramando por toda a parte o ouro do Brasil.
Alexandre de Gusmão, atónito, apertava a cabeça com ambas as mãos, exclamando:
A fradaria absorve-nos, a fradaria suga tudo, a fradaria arruína-nos!
.
O rei não pensava em tal. E, emproado, soberano, a peruca majestosa, o pulso em fofas rendas, com a mão sobre a bengala, risonho de si, passeava os olhos pela ópera faustosa.
Vestia-se de Paris.
Era, deveras, um grandíssimo rei!
E os mitrados de púrpura, os tonsurados, de rastos, humildes, batendo nos peitos, louvavam e adoravam o Grande Lama do extremo ocidente.
.

Convento de Mafra - Portugal
.
Mas não estava satisfeito ainda o grande rei.
Queria também monumentos, e traçou uma basílica maior do que o reino.
O convento de Mafra devorou, em dinheiro e gente, mais do que Portugal valia.
Por fim o rei conseguira o cúmulo da sua ambição; e a mania dos monumentos, que lavrara em França com Luís XIV, transportada para cá, erguia de uma só vez, num lugar único, uma montanha fria de pedra.
.
Mafra, vasto abrigo mortuário, povoado de frades negros, era ao mesmo tempo o palácio do moderno Salomão.
50 000 homens andaram nessa obra, como escravos; e ao lado a forca ameaçava os que protestassem.
As oficinas de Roma e de Veneza, de Milão e de Génova, da Flandres e da França tinham fornecido as alfaias preciosas, os lustres e candelabros, os cancelos de bronze arrendado, as lâmpadas e tocheiros, os relógios e carrilhões.
Nunca se vira ópera tão estrondosa de músicas, tão brilhante de ouros, pedrarias, luzes, púrpuras, rendas, sedas!
.

D João V
.
No meio da comédia burlesca da devoção, a desordem, a corrupção eram enormes.
Tudo se consegue com quaisquer quatro bolsas, aplicadas decentemente a qualquer bonzo, dizia Alexandre de Gusmão, que via as coisas de dentro.
Os fidalgos ocupavam-se de troças brutais, promovendo tumultos e desordens, em que havia mortos.
O próprio irmão do rei, o infante D. Francisco, divertia-se nessas aventuras e raptos nocturnos que ensanguentavam as ruas da capital.
A antiga valentia portuguesa aparecia transformada em uma brutalidade grosseira.
.
A orgia sanguinária e lúbrica era o fundo real do quadro da devoção e da majestade burlesca.
O conde de Tarouca, tão piedoso, vivia amancebado com a Rocha, furtada por ele ao pai e casada com um criado seu; a Rocha fugiu-lhe com o padre Soares.
O conde de Valadares, que matara a filha com crueldades devotas, ia disfarçado de mulher, de manto e touca, falar à criada em Santa Clara, e dormia no convento com ela.
O prior de S. Jorge tinha 65 anos e um serralho de beatas suas confessadas. A Inquisição interveio, condenando-o a degredo; mas o velho defendia-se dizendo que o amor é caridade, resumo de toda a lei.
.
A abadessa do convento de Santa Ana de Lisboa fugia para a Holanda com um frade capucho.
A Quaresma e a Semana Santa eram a época desejada das aventuras piedosas.
Dizia-se que o rei ia disfarçado de andrajos de pobre para junto do andor do Senhor dos Passos da Graça beliscar as fidalgas quando beijavam o pé da imagem.
.
.
É verdade que D. João V perdia a cabeça por todas as mulheres.
Mas a sua verdadeira paixão estava em Odivelas, o ninho da Madre Paula.
Madre Paula e a irmã Maria da Luz viviam juntas nesse fofo recinto preparado para todas as voluptuosidades. Todo o luxo da época se acumulara no palacete misterioso e maravilhoso: as talhas douradas, os mosaicos de Itália, os charões da Índia, os móveis de ébano embutidos de marfim, os espelhos de Veneza, os cristais, as cambraias, as rendas, as pratas e ouros, as franjas pesadas, os estofos de melania (a fazenda da moda) e as sedas adamascadas que revestiam as paredes.
.
As duas irmãs dormiam no mesmo quarto, e entre as duas camas tinham duas pias de prata, com água benta, para se persignarem.
O rei entrava e saía, sem se esconder, sem recear que o vissem. Todo o convento o conhecia e lhe beijava, reverentemente, a mão. Perto do palácio, ao Arco dos Pregos, o Cucolim, ao contar as idas para Odivelas dizia: Ali perde a vergonha!
.
O voluptuoso monarca era verdadeiramente rei, porque o seu povo – a nobreza, o clero, a burguesia rica – ardia nas mesmas paixões.
A perversão dos instintos, o vazio das inteligências, a maldade imbecil e a carolice piegas e lúbrica retratavam a primor o estado caduco do corpo da nação amortalhada num sudário de brocados de sacristia.
Portugal era um cenário de ópera armado numa igreja.
Não somos nós, com as nossas críticas, quem o diz: confessam-no os contemporâneos. Leia-se o que escreveu o Cavaleiro de Oliveira, leia-se Alexandre de Gusmão, leia-se o Testamento Político de D. Luís da Cunha.
.
.
Nada há a esperar do rei: é a impressão que sai do texto deste último documento.
Foi a este porto, leitor amigo, que nos conduziu a educação que os jesuítas começaram a dar-nos no XVI século.
Não se investe debalde contra a natureza, seja em nome de quem for.
E os padres, secando em nós todas as fontes da vida real e justa, deram-nos em troca um sistema de tresvarios e fraquezas, para nos salvarem.
.
Quando estávamos a bom caminho do fim final, o (rei) Bragança lembrou-se de nos remir, e as minas do Brasil vieram jorrar um dilúvio de ouro nos bolsos de uma gente perdida de corpo e alma.
Das loucuras que isso deu, fiquem estas páginas por documento.
A história interrompe-se, mas não termina aqui.
Se alguém pensa que um povo não podia descer mais, engana-se: em breve se convencerá da verdade". (*)
.
(*) - História de Portugal - Oliveira Martins (adaptações e ordenação do Cavaleiro da Torre)
.

Sem comentários: