domingo, 18 de abril de 2010

A Palavra de Alá - O Encontro de Maomé com Deus

.
.
" (...) Nos espaços agrestes da Península Arábica, durante os primeiros anos do século VII, vivem-se ainda, às vésperas da Revelação, os tempos pesados e abomináveis da ignorância.
Os destinos das tribos, e o de cada um dos homens, flutuam com os humores dos espíritos - os djins - e dependem da vontade de uma corte de deu­ses e deusas mais ou menos complacentes.
As pessoas abandonam-se à melopeia en­torpecente dos adivinhos, percorrem cami­nhos de peregrinação agarradas a bétilos e cele­bram ritos de adoração em torno de árvores, nascentes de água e calhaus sagrados.
.
.
Mas nestas paragens, por estes dias, numa dimensão invisível aos mortais comuns, ocultam-se já ideias e imagens indiscutíveis, por enquanto fragmentadas e obscuras:
Pelos ventos que apressam a marcha ... promete-se-vos uma verdade: o Juízo reali­zar-se-á.
Disfarçada no torvelinho crepitante das tem­pestades de areia, vagueando por céus toldados de nuvens poeirentas, adormecida no tapete brando das dunas, pairando sobre o vinco sinuoso e ressequido dos uedes, a Palavra espera o Enviado:
Eu sou Quem te dá toda a abundância.
.
.
Por cima do deserto de Nefud ou rasando as areias letais do Rub al-Khali, nos calores diurnos de fornalha ou emergindo da dormência gélida das madrugadas, no rasto pachor­rento das caravanas de beduínos ou fluindo do quebranto retemperador dos oásis, aí está, dissimulada, a Palavra:
O teu Senhor conhece perfeitamente quem se extra­viou da Sua senda. Ele conhece perfeita­mente quem está no bom caminho.
.
.
Nas escarpas abruptas que se debruçam para o mar Vermelho, nas pregas da cordi­lheira de Asir, nas planuras que bordejam o golfo Pérsico, no balanço ligeiro das acácias, das tamargueiras e dos juníperos que estremecem ao sopro cálido das ara­gens, por toda a parte e em todas as coisas se insinua a Palavra, aguardando o Profeta que a há-de conduzir ao entendimento e aos cora­ções dos homens:
Prostrai-vos diante de Deus! Adorai-O!
.
.
Nestes lugares, e neste tempo, por alturas do ano de 610, o caravaneiro Muhammad - ou Maomé -, da tribo dos Coraixitas, sente que o assaltam fenómenos es­tranhos, que não é capaz de interpretar.
Casado com a rica Kadidja, a antiga patroa, que se deixou cativar pela sua recta personalidade, ele furta-se com frequência ao bulício próspero da cidade natal, Meca, importante encruzilhada das caravanas de mercadores que atravessam o deserto para unirem o oceano Índico ao Mediterrâneo.
.
Aqui, onde o fosso entre ricos e deserdados se alarga todos os dias e onde o culto da fortuna e do poder se sobrepõe ao impul­so da honra e da soli­dariedade, este homem de quarenta anos, bom pai, marido afec­tuoso, bem arrumado nos confortos da vida, perturba-se, sente-se a mais, acaba por recolher-se às solidões do monte Hira, nas cercanias da cidade.
.
.
Distraído em meditações graves e inquietas, Muhammad atemo­riza-se com a força que o invade e com a natureza das manifestações que lhe violentam os sentidos.
São zumbidos e si­lêncios, bruscas fulgurâncias, inspi­rações confusas que se desprendem das coi­sas e dos lugares.
.
Que visões fugidias são es­tas que assim perturbam Muhammad?
O que são e de onde vêm as sentenças enigmáticas que se lhe embrulham na língua febril, contra o céu da boca, e que aí se desfazem e morrem antes de adquirirem um sentido?
Não passará tudo de uma horrível maquinação dos djins?
.
.
Um dia, na Grande Noite, ba­nhado pelas cintilações dolorosas de um intenso jorro de luz, na exaustão de um desmaio revelador, ele dá com um ser misterioso, de as­pecto humano, suspenso entre os céus e a terra, que lhe traz afinal a misericórdia da compreensão:
Muhammad, em verdade és Profeta de Alá! E eu sou o anjo Gabriel!
.
.
Doravante, este notável cidadão de Meca será o sucessor - o último, para os crentes - de Abraão, de Moisés, de Jesus Cristo.
Durante mais de vinte anos vão derramar-se no seu espírito, uma a uma, as mensagens de Deus, que ele divulgará aos homens e que se­rão depois da sua morte guardadas num livro que mudará o mundo - o Corão.
.
A Palavra achou, enfim, o Enviado:
Não há outra divindade senão Alá, e Muhammad é o Seu Profeta. (...)" (*)
.
(*) - José Bento Duarte - Peregrinos da Eternidade - Crónicas Ibéricas Medievais (4ª Crónica - A Palavra de Alá) - Editorial Estampa - Lisboa - Portugal (2003)
.

Sem comentários: