quarta-feira, 10 de junho de 2009

Arte da Caça de Altanaria (2) - Diogo Fernandes Ferreira (Séc. XVII)


.
São os Açores no talhe e feição muito semelhantes aos Gaviões, ainda que maiores de corpo, em cuja grandeza excedem a todas aquelas aves que de rapina se sustentam (deixando à parte a Águia, que esta a todas se avantaja na grandeza).
De suas propriedades tratarei adiante.
.

.
Criam os Açores seus filhos em muitas partes do universo, em serras e lugares montosos, cheios de grandes bosques e arvoredos. Nestes fazem seus ninhos; criam uma vez no ano. Em Maio começam a fabricar seu ninho; põem de três até cinco ovos; os primas (fêmeas) estão sempre sobre eles, os treçós (machos) em todo o tempo que a fêmea está chocando lhe trazem de comer perdizes, pombas, e às vezes láparos e rolas.
.


.
Quando lhes trazem a caça que tomam, pousam em certa árvore, que para isso tem perto, e chama a prima com piados, a qual se levanta e vem voando; em chegando perto larga o treçó o que lhe traz para comer; ela antes que chegue a terra o toma.
O treçó em largando a caça se vai voando tão apressadamente que parece temer a prima, a qual, em comendo, se torna aos ovos, e neles está mais tempo a tirar os filhos que as galinhas.
.

.
Tirados (os filhos) se deixa estar alguns dias até eles estarem enxutos da humidade do ovo e cobertos de penugem.
Se a mãe sente que a quentura do sol enfada aos filhos, enrama o ninho e os ampara com as asas estendidas.
Tem cuidado de lhes dar de comer a miúdo.
.


.
Neste nosso tempo vieram a acabar os Açores nestas partes, (pois) que chegou a ser tão excessivo o preço que por cada um em pequeno se dava, que os homens cobiçosos que os tomavam, em achando o ninho o guardavam, para que outros lho não furtassem.
(Certa) vez aconteceu que uns (homens) escondidos esperaram que aqueles que os guardavam fossem buscar de comer e entretanto lho furtaram.
.
.
E vieram a tomar aos pobres pássaros os ovos, e os deitaram a outras aves.
A mim me contou um destes (homens), que mos costumava vender, que subindo a uma árvore a tomar os ovos de um Açor, o prima e o treçó se levantaram e se meteram mui alto no céu, e julgou que daquela vez passavam a África, e nunca mais criaram naquela serra vermelha, onde isto aconteceu.
Pode muito bem ser.
.


.
Em muitas partes de Espanha se tomam Açores em pequenos, como em Navarra, e na terra dos Gélves, nas Astúrias, e em Galiza; e de quaisquer partes que à mão vierem Açores em pequenos os criarão como fica dito no capítulo que trata da criação dos Gaviões, e os cure com a mesma arte, notando que, sendo os Açores já de quatro betas, lhes deitarão rolas e pombinhos de mão, a cada Açor conforme a idade que tiver e se desenvolver voando (…) (*)
.
(*) - Arte da Caça de Altanaria (por Diogo Fernandes Ferreira).
.
A obra foi publicada no ano de 1616, ao tempo do domínio espanhol de Portugal (1580-1640).
Teve reedição em 1899, na Biblioteca de Clássicos Portugueses, cujo Director Literário foi Luciano Cordeiro.
Esta última edição ficou a dever-se a: Escriptorio - Rua dos Retrozeiros, 147 - Lisboa - Portugal.
.

Sem comentários: