sábado, 25 de abril de 2009

Portugal, 25 de Abril - Trinta e cinco anos depois

.

"(...) Mas que resta desse dia?
As ruínas de uma história que se perdeu nela própria.
A avenida encher-se-á, como de hábito, e os discursos, no Rossio, alegres e decididos, dissimulam a melancólica gravidade de uma peregrinação que se faz por uma memória feliz, tornada triste e antiga.
.
Ocultamos a dor do que perdemos, é isso. A multidão reflui, gritando estribilhos antigos, miméticos e elementares.
"Fascismo nunca mais!"
"O poder está no povo!"
"Os ricos que paguem a crise!"
Animamos a nossa profunda descrença, com a ressurreição nostálgica de um tempo delido que vai ficando efeméride.
.
Fomos envelhecendo e agarramo-nos à data como quem não quer extraviar-se da irremediável perda da juventude.
Porque éramos todos muito novos; ou, pelo menos, muito mais novos.
Olhamo-nos, saudamo-nos uns aos outros, joviais e excessivos.
Porém, pertencemos a outra história. Festejamos o dia como se o dia representasse a rapariga, a festa, a alacridade e as cores da adolescência.
A rapariga já não possui segredos, a festa emudeceu, a alacridade acabrunhou-se, as cores oscilam entre a metáfora e o que imaginamos.
.
Mas vamos, estamos, elementares e claros - porque ir, estar, desfilar, sorrir, acenar, partilhar, enriquece mais do que a reticência e fortalece mais do que a indiferença.
Talvez o dia seja um marco denso e, acaso, desmesurado para a cruel realidade do momento. Talvez. No entanto, acreditamos que há algo de transcendente desespero em celebrarmos uma revolução que falhou.
.
Velhos fantasmas, pontuais e exactos, emergem da nossa cultura caótica e da nossa vocação para o submisso. A ordem, a segurança nas ruas, a obediência à autoridade, a uniformização reaparecem nas conversas avulsas, como que por casualidade. As coisas encadeiam-se nas coisas numa espécie de pensamento figurativo.
.
E, no entanto, há trinta e cinco anos, todos e cada um de nós posava de leão indomesticável.
As nossas fragilidades congénitas e os nossos ressentimentos ancestrais tapávamo-los com gritos, com frases rimadas, com gestos incoerentes porém vitais. Éramos, afinal, ostensivamente livres e acintosamente exibicionistas.
.
Sabe-se quem travou a marcha ruidosa e feliz.
Conhece-se os nomes daqueles que, na sombra e no silêncio, isolaram e subjugaram, de novo, as nossas emoções.
"Acabou a tua festa, pá!", cantou Chico Buarque de Holanda. O epitáfio definia o cansaço e a derrota.
Aí estão as sobras demoradas da nossa juventude. Aí está o refugo de um sonho que tinha a dimensão do homem.
Afinal, vamos comemorar a nostalgia." (*)
.
(*) Baptista-Bastos - A Revolução que Falhou - Diário de Notícias - 22 de Abril de 2009 - Lisboa, Portugal.
.

Sem comentários: