domingo, 8 de fevereiro de 2009

África Antiga - As Mulheres-Guerreiras do Daomé

(Clicar para aumentar)
.
Constituíam, no século XIX, um corpo de élite do exército do reino do Daomé (actual Benim).
Entre outras missões militares, competia-lhes a protecção do rei.
A imagem acima representa Seh-Dong-Hong-Beh, uma das suas comandantes, por volta de 1850. Numa das acções, ela chefiou 6.000 mulheres contra os guerreiros Egba da fortaleza de Abeokuta.
.
Escolhidas na infância, não se casavam (com excepção das que fossem escolhidas para esposas do rei). Submetiam-se a treino duríssimo e viviam à parte. Combatentes ferozes, eram praticamente imunes ao medo e à dor.
.
Conta-se que a sua iniciação implicava obrigatoriamente a decapitação de um inimigo e a consequente ingestão do seu sangue.
.

Para além das tribos africanas inimigas, enfrentaram bravamente o poder colonial francês, em finais do século XIX. Isso não evitou, contudo, que o rei Gbehanzin (1889-1894) fosse feito prisioneiro e deportado para a Martinica, sendo o Daomé anexado pelos Franceses.
.
(Fonte, até meados do séc. XIX: Frederick E. Forbes: Daomé e os Daomeanos - Relato de duas missões ao Daomé em 1849 e 1850 - Londres - 1851). (Período posterior: arquivos da Torre).
.

Sem comentários: