quinta-feira, 15 de janeiro de 2009

Aberturas de Grandes Livros - "O Músico Cego" (Vladimiro Korolenko - Rússia)

.
“Tarde da noite nasceu a criança numa rica família do Sudoeste.
A mãe estava deitada e em sonolência; mas quando o primeiro grito do recém-nascido ressoou no quarto – um vagido doce e lamentoso – ela, com os olhos fechados, começou a agitar-se no leito. Os lábios murmuraram qualquer coisa e no seu rosto pálido, de traços quase infantis, esboçou-se um esgar de sofrimento impaciente, como um bebé mimado quando experimenta um desgosto inesperado. A parteira inclinou o ouvido para os lábios balbuciantes da jovem mãe.
.
- Porquê?... Porque está ele assim? – perguntou a doente com voz mal perceptível.
A parteira não compreendeu a pergunta. A criança gritou de novo. O reflexo duma viva dor percorreu a face da parturiente e uma grossa lágrima deslizou dos seus olhos fechados.
- Porquê? Porquê? – murmuravam-lhe os lábios muito docemente.
Desta vez a parteira percebeu a pergunta e respondeu serenamente:
- Quer saber porque chora o menino? É sempre assim, tranquilize-se. (…)
.
(…) O coração da mãe pressentia, sem dúvida, que, juntamente com a criança, acabava de nascer um destino votado a uma infelicidade obscura e inexorável – suspenso por sobre o berço – para escoltar aquela nova vida até à sepultura.
Talvez fosse pura imaginação. De qualquer maneira, porém, a criança nasceu cega. (…)”
.
O Músico Cego – Vladimiro Korolenko (1853-1921) (Conforme edição de 1971 - Publicações Europa-América, Lisboa)
.
Nota para os interessados: a obra consta ainda do catálogo de Publicações Europa-América (€ 6,49).
Edição também disponível na Biblioteca Nacional de Lisboa ---- [Cota - L. 64758 P.]

1 comentário:

Anónimo disse...

Este foi um dos melhores livros que já li. Repleto de ternura e de uma força incrível, Korolenko expõe nele toda uma pedagogia que, hoje em dia, falta em muitos jovens repletos de saúde e condições sociais. É a pedagogia do enfrentamento, incrível. Korolenko é um grande escritor de língua russa, apesar de ser ucraniano. Deveria ser mais valorizado no ocidente. Ele merece, pelo seu incrível talento literário.