sábado, 19 de abril de 2008

"Os Tudors" - Uma Delirante Fantasia "Histórica"


Deram entrada na Torre, em DVD, "The Tudors", série pretendidamente histórica centrada no reinado de Henrique VIII de Inglaterra (que a RTP passou outro dia).
Apesar do apuro estético e de alguns desempenhos marcantes (como o de Sam Neill, num notável cardeal Wolsey), é trabalho a ver com grande reserva, pois arromba com frequência e militante ligeireza a autenticidade dos factos.
A história europeia em geral, e a lusitana em particular, saem bastante malferidas da cinéfila aventura. Num dos delirantes episódios, por exemplo, servem-nos um D. Manuel I de pesadelo, caquéctico e lúbrico, gulosamente matrimoniado com uma princesa inglesa que jamais existiu.
Após alguns deslizes de irreprimível sensualidade, a real menina vê-se perdida e desventurada numa corte portuguesa exibida como lúgubre e sórdida. Depois de peripécias várias, historicamente insustentáveis, a bela acaba por assassinar o pobre velho, asfixiando-o com uma almofada durante o sono indefeso - partindo, enfim liberta do horroroso cativeiro conjugal, para novos e trepidantes deslizes.
Nada disto faz o mínimo sentido, nada disto aconteceu realmente, nada disto foi fado da história portuguesa...
Maria José Nogueira Pinto indignou-se, mui justamente, com a malévola trapalhada e publicou no Diário de Notícias de anteontem, 17 de Abril, o protesto que se segue. A Torre saúda e subscreve.
.
Os Pés do Rei
.
Acomodei-me no meu sofá para ver "The Tudors", um drama histórico televisivo sobre a vida de Henrique VIII de Inglaterra. A série prometia, tinha sido difundida pelas televisões de vários países (em Portugal pela RTP) e tivera honras de Emmys e Globos de Ouro. E eu, que pertenço a uma geração que aprendeu História sem audiovisuais, vejo neste género de produção televisiva um modo entretido de relembrar episódios históricos com ganhos de familiaridade com os personagens que a simples leitura, por definição, não propicia.
Qual não é, pois, o meu espanto quando um tal personagem denominado "Princess Margaret", supostamente irmã de Henrique VIII, é dada em casamento ao Rei de Portugal, (D. Manuel I ?). Sabendo que este nosso Rei se casara três vezes, pensei que a princesa inglesa me tinha escapado, uma falha de memória, sei lá! Inquieta, mas com a curiosidade aguçada, aguardei com expectativa as cenas relativas ao casamento, a entrada em cena da corte portuguesa num período áureo da nossa História.
Vi, então, como a princesa choramingava porque D. Manuel era um velho corcunda, implorando ao irmão que a troco de tão grande sacrifício lhe desse liberdade para escolher segundo marido quando enviuvasse, o que, esperava, ocorreria rapidamente.
Após uma imagem de rara beleza do Tejo e da Ribeira das Naus, seguiu-se uma sucessão de cenas de verdadeiro horror. D. Manuel era um gnomo marreca e saltitante, desdentado e de olhar lúbrico, baboso, falando um português mal amanhado. A corte, um conjunto de velhotas vestidas de negro, clérigos encapuçados, homens feios e sujos. As cerimónias pareciam ter como cenário uma espécie de barracão e as músicas eram espanholas (Falla?).
O casamento consumou-se no que poderia ser um quartinho do Castelo de S. Jorge, com uma data de basbaques de mau aspecto rodeando o tálamo conjugal e aplaudindo grosseiramente.
No dia seguinte - assim prossegue a série - a princesa Margarida, após lançar um olhar nostálgico à sua nau, prestes a partir do Tejo, não está com meias medidas e assassina o nosso Rei, sufocando-o com uma almofada. A última imagem com que o realizador arruma o episódio português é um grande plano dos reais pés, sujíssimos, explicitando que nem para o casamento este se dera ao trabalho de ablações mínimas.
A indignação venceu qualquer inércia que ainda restasse para confirmar a desconformidade de tão burlesca narrativa com a realidade dos factos. D. Manuel casou três vezes, com duas filhas dos Reis Católicos, Isabel e Maria e, pela segunda vez viúvo, casou novamente, com D. Leonor, irmã de Carlos V. Todas eram excelentes partidos, demonstrando bem a importância, à época, de Portugal e do seu Rei.
Entre a consulta à História de Barcelos e o recurso à Internet foi possível constatar a existência de muitos outros erros grosseiros.
De facto, a "Princess Margaret" nunca existiu e é um personagem composto a partir das duas irmãs Tudor de Henrique VIII; o rei português de então era D. João III, de vinte anos de idade; não existiu nenhum Papa Alexandre desde 1503; o cardeal Wolsey não foi preso nem se suicidou e Thomas Tallis não consta que fosse bissexual.
Até na escolha dos adereços se repetem os erros, ridículos, tal como a utilização de um mosquete por Henrique VIII, arma que só foi inventada em 1630, ou seja um século mais tarde.
Posto isto, coloco duas questões.
A primeira tem a ver com este, ou qualquer outro, drama histórico televisivo. Embora se possa e deva esperar algum tempero fantasioso da narrativa, não é suposto que tal fantasia deturpe a História, alterando os seus factos, a sua cronologia, a sua geografia ou a identidade das suas figuras. Perdida a dimensão de relato histórico, o que resta passa de ficção a embuste.
A segunda tem a ver com a nossa reputação nacional e quem é suposto defendê-la. Num país onde já não se ensina História, o canal estatal difundiu, que eu saiba sem qualquer reparo, uma versão vergonhosa e falsa do nosso passado colectivo. Se a Internet não mente, todos os que se sentiram atingidos foram reagindo e rectificando, excepto nós.
Porque será?
.
(Maria José Nogueira Pinto, no Diário de Notícias de 17 de Abril de 2008)

Sem comentários: