domingo, 16 de dezembro de 2007

Rei D. Sebastião de Portugal (2) - Menino-Soldado De Um Só Dia


"(...) Nos princípios de Agosto de 1578, debaixo de um sol de labaredas, o monarca lusitano interna-se em território marroquino a partir da fortaleza costeira de Ar­zila. Leva cerca de dois mil cavaleiros e ao redor de quinze mil combatentes de infantaria, em que se incorporam seis mil mercenários alemães, flamengos, ita­lianos, espanhóis. Vão também umas poucas centenas de mouros do aliado Mulei Mohamed.
Sebastiãozinho não sabe nem suspeita, mas, com raras excepções, esta tropa não passa de um exército de ficção. Marcham na infantaria perto de nove mil desditosos campónios, tão miseráveis que nem recursos tiveram, como tantos outros, para satisfazer o baixo preço do suborno dos recrutadores. Desumana­mente arrebatada à pacatez do torrão natal, trata-se de uma gente sem qualquer prática de guerra, com horror às armas, mais do que pronta a bater em retirada ao primeiro susto a valer.
Arrastando-se por esta fornalha desoladora vai ainda um imprevidente peso morto - lacaios, pajens, carroceiros, religiosos. E mulheres, centenas e centenas de mulheres de risos cristalinos e intimidades fáceis. São as amantes trazidas pelos mercenários do Norte da Europa e um numeroso e festivo rancho de espanholas de vida ligeira, metidas a bordo dos navios da expedição durante a escala efectuada em Cádis. Nos carros de bois sobrecarregados, à mis­tura com os mantimentos correntes, as bagagens transbordam de guloseimas, jóias, trajos de luxo - tudo para as comemorações da vitória que se antevê.
No topo das colinas espreitam de quando em quando, como agoiros de des­graça, vultos furtivos de muçulmanos caracoleando em cavalos finos e irrequie­tos. Não proferem uma palavra, não esboçam um gesto hostil. Limitam-se a es­piar, com olhos de lince, a sofrida marcha deste cortejo de lunáticos. Somem-se logo depois na imensidão, como assombrações. Finalmente, a 4 de Agosto, nas vizinhanças da povoação de Alcácer Quibir, num espaço encaixado entre os rios Lucus e El-Makhazen, os invasores dão de chofre com o exército de Mulei Abdelmalek. Este dispôs numa gigantesca meia-lua os seus setenta mil guerrei­ros, dos quais cerca de quarenta mil integram os rápidos corpos de cavalaria. Apesar de moribundo na sua liteira - consta que lhe terá sido administrado ve­neno -, o xerife Abdelmalek dirige com sagacidade as suas tropas nos alvores da batalha. Há quem afiance que ele previu o desenlace da memorável jornada, quando soube que o reizinho português, metendo-se na boca do lobo, acabara de transpor o leito do El-Makhazen.
Após uma singular apatia de sonâmbulo, Sebastiãozinho dá ordem de acome­ter. Ele próprio galopa, célere como o vento, na dianteira do seu esquadrão de seiscentos cavaleiros, rumo à esmagadora massa de inimigos. O reizinho teimara em rejeitar nos últimos dias os conselhos de prudência dos seus capitães mais esclarecidos, que poderiam porventura ter-lhe concedido a vitória ou, ao me­nos, preservado a existência. Iludido, porém, pelos doidivanas e pelos aduladores, fez birra e levou a sua avante. E, agora, está como sempre quis, como nas visões do menino que jamais deixou de ser.Está só e magnífico, embrenhado na mortí­fera batalha contra o Islão, de lança em punho, ameaçado por um mar de lâminas nuas e faiscantes, prontas a rasgarem-lhe as veias. Cumpre-se o sonho, encerra-se o círculo das profecias, a obsessão conhece o seu epílogo.
Sebastiãozinho bate-se com o habitual destemor suicida. Rodopia em golpes sem conta. Mas não co­manda. Ao seu redor, o exército lusitano, dizimado pelo fogo certeiro da artilharia e dos escopeteiros mouros, breve se esfrangalha, feito numa confusão de bandos sem norte. Os Portugueses foram incapazes de explo­rar o relativo sucesso inicial das suas cargas de cavalaria, que quase haviam ir­rompido pelo abrigo de Mulei Abdelmalek.
Aos primeiros indícios de desastre, os pobres campónios arregimentados à pressa para aquele matadouro desapare­cem como corças pelo meio dos carros das bagagens, refugiando-se entre a cria­dagem apavorada e as mulheres aos gritos. Caminha-se rapidamente para o fim. Seguido de uma diminuta escolta de desesperados, Sebastiãozinho estafa-se a percorrer o campo de combate em velozes galopadas. Vai alagado em suor, tortu­rado de sede sob o metal sobreaquecido da armadura. Já trocou várias vezes de montada, quer acudir a todo o lado, aos núcleos de resistência que vão vendendo cara a vida. Debalde.
Subitamente, diz-se que com um adeus heróico - morrer, sim, mas devagar -, perde-se, e perde um país, no círculo impiedoso das cimitar­ras de Alá. Antes que o dia termine, sete a oito mil portugueses terão sido arca­buzados ou passados pelas lâminas inimigas, sucumbindo com o seu jovem e infortunado soberano. Isto - dizem fontes lusitanas - contra cinco a seis mil bai­xas do exército marroquino. Há milhares de cristãos levados a cativeiro pelos vencedores exultantes, e muitas das mulheres passarão a constituir uma apetecí­vel novidade nos haréns mouriscos. Os fidalgos que sobreviveram à hecatombe serão posteriormente resgatados, a peso de ouro e jóias, deixando ainda mais de­bilitadas as fracas finanças de um reino consternado.
Três reis se despediram da vida nesta batalha, ressuscitando as antigas profe­cias dos três espectros aparecidos aos monges de Portugal.
Mulei Abdelmalek expirou com uma síncope nos primeiros instantes do confronto.
O aliado dos Portugueses, Mulei Mohamed, que se pôs em fuga, encontrou desastradamente a morte por afogamento no lodo pegajoso do rio El-Makhazen. Por ordem de Mu­lei Ahmed - dito Almançor, o Vitorioso, irmão e sucessor de Abdelmalek - o seu corpo foi recolhido, esfolado, empalhado e exibido como um troféu nas princi­pais povoações marroquinas.
Sobre o fim de Sebastiãozinho corre um rasto de nevoeiro. Dizem algumas memórias que o seu corpo nu, violáceo, desfigurado e salpicado de feridas acabou exposto numa esteira aos pés de um emocionado Mulei Ahmed. Este tê-lo-ia mais tarde devolvido aos Portugueses, embalsamado, para que lhe fosse proporcionada sepultura cristã. Mas quase tudo é incerto a este respeito.
Certa é, pelo menos, a rapidíssima movimentação de um voraz Filipe Segundo de Espanha em direcção aos cobiçados horizontes lusitanos. Reivindicando o direito à ocupação do trono português com fundamento nos laços de parentesco, o desembaraçado tio Filipe não olha a meios para concretizar os seus objectivos. Socorre-se de finuras jurídicas, de subornos generosos e, quando necessário, do formidável aparelho militar da Espanha. Portanto: herdou, comprou, conquistou.
Varrida a frouxa resistência, pouco mais do que simbólica, de um país arruinado e sem alma, e abafada a intensa aversão popular aos Castelhanos, consumar-se-á em 1580 a união das duas Coroas, com a consequente liquidação da independên­cia portuguesa até 1640. Pululam finalmente espanhóis à solta nas amenas praias lusitanas." (*)
(*) José Bento Duarte - Senhores do Sol e do Vento - Histórias Verídicas de Portugueses, Angolanos e Outros Africanos - Editorial Estampa - Lisboa - 1999)

1 comentário:

Milu disse...

Fiquei com vontade de ler este autor. Escreve maravilhosamente, até me fez rir!