quarta-feira, 11 de julho de 2007

Miguel Torga, Trasmontano e Ibérico

Caras e caros:

Miguel Torga nasceu em São Martinho da Anta, proximidades de Vila Real, Trás-os-Montes, em Agosto de 1907, e faleceu em Janeiro de 1995.

Era prosador e poeta à maneira da sua terra nortenha. Esquivo, face angulosa, cheio de esquinas, grandioso e duro, esmagador como as fragas natais.
Um dia pôs-se a mirar em redor com um olhar grande e abrangente, nostálgico da terra antiga e vasta dos antepassados. A terra próxima alargou-se-lhe até à Hispânia velha e total, herdeira de Visigodos, mãe de nações de aventureiros, avó de povos morenos longínquos, para lá do mar.

E, imagino que sentado numa fraga rasa, criou o espantoso poema que aqui vos deixo:

Ibéria

Terra.
Quanto a palavra der, e nada mais.
Só assim a resume
Quem a contempla do mais alto cume,
Carregada de sol e de pinhais.

Terra-tumor-de-angústia de saber
Se o mar é fundo e ao fim deixa passar...
Uma antena da Europa a receber
A voz do longe que lhe quer falar...

Terra de pão e vinho
(A fome e a sede só virão depois,
Quando a espuma salgada for caminho
Onde um caminha desdobrado em dois).

Terra nua e tamanha
Que nela coube o Velho Mundo e o Novo...
Que nela cabem Portugal e Espanha
E a loucura com asas do seu Povo.

(Miguel Torga - Poesia Completa - Vol. II - pág. 245 - Publicações Dom Quixote)

Sem comentários: